Página Inicial  |  O Boletim Lusophia  |  Edições Anteriores  |  Artigos  |  Locais de Distribuição  |  Publicações  |  Ligações  ]

 
     

Actividades Passadas

2003

Actividades

Seminário de Iniciação à Radiestesia

15 e 16 de Março
(Inscrições abertas até ao dia 1 de Março)

O que é a Radiestesia?

A palavra radiestesia significa sensibilidade às radiações. Sabemos que sensibilidade é a capacidade de sentir, mas o que se entende por radiações? Tudo o que existe no Universo é composto de energia que vibra em diferentes frequências. À propagação da energia no espaço chamamos radiações, algumas das quais são percebidas pelos sentidos, como a luz (cor), o som, o calor. Outras há que podem ser sentidas pelas pessoas que desenvolveram a sensibilidade radiestésica, uma espécie de sexto sentido. Os instrumentos que se usam - pêndulos e varas - funcionam como amplificadores de pequenas e quase imperceptíveis reacções neuro-musculares imprimidas ao braço, no caso do pêndulo, ou aos braços, no caso das varas, pelo subconsciente em função do objecto de procura ou das perguntas feitas. As repostas são dadas e interpretadas pelos movimentos próprios dos instrumentos através de uma linguagem pré-estabelecida e convencionada que, por isso mesmo, se designa convenção mental. Na prática utilizam-se testemunhos (amostras ou representações daquilo que se procura) que ajudam o operador a estabelecer uma ligação, uma sintonia com o objecto de procura, seguindo o princípio: semelhante atrai semelhante.

 

Como se aprende?

 A radiestesia aprende-se tal como a música, o desenho ou qualquer outra arte. Para praticá-la pouco importa a idade ou o sexo; o que é preciso é perseverança e assiduidade no trabalho. Cerca de 80% das pessoas podem fazê-lo, com maior ou menor dificuldade. Os restantes 20% têm muitas dificuldades principalmente por falta de concentração. Um grande obstáculo é igualmente a convicção de que todas as respostas ou necessidades humanas encontram-se fora das próprias pessoas. Daí resulta a imobilização das potencialidades anímicas. Preconceitos e bloqueios mentais constituem outros tantos entraves à manifestação dessa sensibilidade. Mas, quem quiser, e para isso se esforce, pode atingir resultados que não deixam margem para dúvidas.

 

Quais as suas origens?

 Descendente da antiga arte dos vedores, a radiestesia tem um passado de milhares de anos. Nas paredes de grutas localizadas no monte Atlas e na África do Sul estão desenhadas figuras humanas que mostram a utilização da vara já em tempos pré-históricos. Em escavações efectuadas no Egipto foram encontrados pêndulos, existindo também bastantes representações de pessoas que manipulam varas e instrumentos idênticos. De muitas outras culturas espalhadas pelo mundo encontramos, em museus e colecções particulares, vestígios da utilização da vara e do pêndulo.

Athanasius Kircher, o conhecido jesuíta renascentista, constata em 1631 a simpatia do instrumento pelas correntes de água.

O desenvolvimento da radiestesia moderna inicia-se no século XIX principalmente em França, e é ao abade Bouly que devemos o próprio nome radiestesia.

 

Quais as suas aplicações?

 Não existindo ainda uma teoria unificada que a explique, tal não impede que a radiestesia funcione e dê provas de grande utilidade. Para além da procura de pessoas, animais e objectos desaparecidos e da tradicional detecção de águas subterrâneas efectuada pelos vedores, a radiestesia desenvolveu-se nos últimos 100 anos em muitas outras áreas. Algumas das mais conhecidas são: agricultura; arqueologia; arquitectura e construção relacionada com a geopatologia; diagnóstico médico e veterinário; compatibilidade alimentar; análise de carácter; orientação profissional e vocacional; investigação criminal e poluição electromagnética.

Constituindo um meio e não um fim em si própria, a radiestesia - fundamentada na lei da necessidade - pode ser usada em qualquer campo de actividade. Ajuda-nos inclusive a desenvolver capacidades de percepção que estão adormecidas.

Num processo que conduz ao auto-conhecimento tornamo-nos assim mais conscientes, mas também mais responsáveis, na medida em que sentimos a ligação que tudo tem com tudo.

 A radiestesia é e deve permanecer simples, independentemente da quantidade e da complexidade das teorias que a explicam. O segredo não está nas ferramentas, que facilmente podem ser feitas em casa por pouco dinheiro e com materiais correntes, mas sim nas pessoas que, porque amam a sua arte, conhecem os princípios, respeitam as regras de funcionamento, corrigem constantemente os erros de aprendizagem e trabalham com determinação, se necessário durante meses ou anos conforme o grau de eficiência que desejam atingir.

 Informação retirada do folheto de apresentação da radiestesia da Associação Cultural Radiestesia Lusitaniae, com a amável autorização dos responsáveis.

 

Seminário de Iniciação à Radiestesia

Objectivo

O objectivo deste seminário é o de transmitir conhecimentos (práticos e teóricos) úteis, de qualidade, dados por um radiestesista experiente - José Alexandre Cotta - Membro fundador da Associação Cultural Radiestesia Lusitaniae. Espera-se, através desta acção, contribuir para a dignificação desta arte avaliada em acções benéficas, credíveis e socialmente úteis.

 

Programa

Formador

José Alexandre Cotta  (Membro Fundador da Associação Cultural Radiestesia Lusitaniae)

 

Primeiros Passos

Motivação, atitude e responsabilidade; Os Princípios da Radiestesia; Estabelecer a convenção mental; Como segurar correctamenteo pêndulo e as varas; O Centro Hara; Calibragem; Linguagem binária; A importância da pergunta;  Envolvimentos emocionais; Registo e verificação; Função do plexo solar; Causas de erros; Compatibilidades; Procurar a agulha no palheiro; Mudras e Radiestesia; Trabalho de casa.

 

Data/Horário:

15 de Março (Sábado)

        Parte teórica - das 9h00m às 18h30m

        (com intervalo para almoço das 12h30m às 14h30m)

16 de Março (Domingo)

        Exercícios práticos de campo - das 9h00m às 15h00m

        (com intervalo para almoço das 12h00m às 13h30m)

 

Local:

15 de Março

        Faculdade de Ciências e Tecnologia da U.N.L. - Monte de Caparica

        (Sala 1.16 do Edifício VII)      

16 de Março

        Visita a vários monumentos megalíticos na região de Sintra

 

Número de vagas: 20

 

Preço para não sócios da ÆTERNA: 75 Europeus

Preço para sócios (regulares) da ÆTERNA: 50 Europeus

 

Inscrições e informações importantes

 

Para se inscrever deverá contactar-nos, no máximo, até ao dia 1 de Março.

A pré-inscrição é efectuada por telefone através do número: 93 688 16 37.

No acto da inscrição serão pedidos 50% do preço total do seminário. Poderá enviar o pagamento em cheque (à ordem de Luís Carlos Miranda Silva) ou em dinheiro para a morada abaixo indicada. Os restantes 50% serão pedidos no primeiro dia do mesmo.

As inscrições serão consideradas por ordem cronológica de entrada e se acompanhadas do respectivo pagamento.

As refeições e os transportes ficam à responsabilidade de cada participante no curso, e não estão incluídos.

No caso de desistência, por motivo de força maior, comunicada à ÆTERNA até ao dia 22 de Fevereiro, o valor da inscrição será integralmente devolvido.

Para bom aproveitamento do seminário é indispensável o rigoroso cumprimento  de horários.

 

Contactos:

ÆTERNA

Rua Cidade de Amadora, nº6  2ºE

2855-116 Corroios

 

Telemóvel: 93 688 16 37

 

Internet:

aeterna@sapo.pt

www.aeterna.no.sapo.pt

 

 

Actividades Futuras

Segundo Ciclo de Tertúlias da ÆTERNA
(por agendar)